Entenda como é feita a gluteoplastia e suas indicações

Entenda como é feita a gluteoplastia e suas indicações

Saiba o que é gluteoplastia e quais são as principais técnicas utilizadas nessa cirurgia plástica.

A cirurgia de gluteoplastia é um dos procedimentos mais procurados pelas brasileiras, mas ainda existem muitos mitos sobre as técnicas utilizadas. Afinal, você sabe como é feita a gluteoplastia?

Para entender melhor o que é gluteoplastia, para quem a cirurgia é indicada e quais resultados podem ser atingidos de acordo com cada técnica, acompanhe este post com a gente!

O que é gluteoplastia?

Antes de entender o processo utilizado na gluteoplastia, vamos entender qual o objetivo da cirurgia. Bom, essa técnica é indicada para quem deseja aumentar ou remodelar o bumbum

O procedimento é bem simples e deve ser acompanhado por um cirurgião especializado, que vai realizar uma avaliação para identificar alterações que podem causar alguma complicação e também decidir qual a melhor opção para você. 

Para se ter uma ideia, o Brasil realiza 40 cirurgias por dia para aumento de bumbum: são mais de 14 mil cirurgias por ano, segundo dados da SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica). 

Como é feita a gluteoplastia?

Para realizar a cirurgia de gluteoplastia o cirurgião pode optar por dois tipos principais: a lipoenxertia ou a prótese de silicone para gluteoplastia. Tudo vai depender do resultado desejado pelo paciente e de sua estrutura corporal. 

É muito importante passar pela avaliação médica e escolher a melhor técnica em conjunto com o cirurgião para evitar problemas de saúde no futuro. 

O tempo médio de duração da cirurgia plástica de gluteoplastia é de 3 a 5 horas e normalmente só é preciso um dia de internação. A recuperação também costuma ser bem rápida. 

Técnicas utilizadas na cirurgia de gluteoplastia

Agora que já entendemos melhor todo o processo, vamos entender como são feitas as técnicas de prótese e lipoenxertia na gluteoplastia? Olha só: 

  • Prótese de silicone para gluteoplastia

Nessa técnica, o cirurgião faz dois pequenos cortes na parte superior das nádegas e coloca os implantes de silicone escolhidos pelo paciente. Os formatos da prótese de silicone para gluteoplastia costumam ser redondos ou ovais e o tamanho deve ser escolhido em parceria com o cirurgião para obter o resultado desejado.
As próteses mais modernas são preenchidas com gel de silicone, o que confere maior resistência a pressão e quedas. Essa técnica é indicada para quem tem muita flacidez ou deseja aumentar a região.

  • Lipoenxertia na gluteoplastia

A lipoenxertia na gluteoplastia consiste no enxerto de gordura nos glúteos. Essa gordura é retirada de outra região do corpo do paciente (normalmente pernas ou barriga) por meio de lipoaspiração e depois aplicada nas nádegas. Neste caso, é possível combinar a cirurgia de gluteoplastia com a lipoescultura. A técnica é indicada para remodelação da área. 

  • Técnica combinada

Outra opção é unir as técnicas de prótese e lipoenxertia para realizar a gluteoplastia e obter um melhor resultado. Neste caso, a gordura retirada por lipoaspiração é utilizada para remodelar a região, fazendo um contorno estético, enquanto a prótese será usada para dar mais volume e projeção. 

Após realizar a cirurgia, também é importante tomar os cuidados pós-operatórios indicados pelo médico. Podem ser receitados analgésicos e malha compressiva para aliviar a dor e algumas orientações comuns são evitar sentar, deitar de bruços e evitar muito esforço durante os primeiros dias. 

A recuperação costuma ser bem rápida e, na maioria dos casos, já é possível voltar a rotina após a primeira semana. Mas lembre-se de que cada pessoa se recupera de uma forma, portanto é importante fazer o acompanhamento médico. 

Os resultados começam a aparecer após a segunda semana, quando o inchaço diminui, e a prótese só precisará ser trocada em caso de ruptura ou algum outro problema. 

Outro ponto importante para relembrar é o cuidado com os preenchedores para aumento de glúteos, que não são aprovados pelos órgãos de saúde, como o ácido hialurônico. Sua aplicação só é indicada em pequenas quantidades com o objetivo de reduzir depressões localizadas, melhorando celulites, sequelas de traumas ou cicatrizes, por exemplo. 

Agora que você já conhece o procedimento e suas técnicas, que tal agendar a sua avaliação? Acesse o site da Dra. Hazel e marque uma consulta para ter o bumbum dos seus sonhos agora mesmo!

 

Transplante capilar em mulheres: saiba como funciona

Transplante capilar em mulheres: saiba como funciona

Entenda como é feito o transplante capilar, suas indicações e métodos para realizar o procedimento estético.

Apesar de ser um problema mais comum em homens, a calvície também atinge o universo feminino e pode ser uma grande vilã para a autoestima. Hoje, existem algumas técnicas para tratar o problema, como o transplante capilar feminino.

Se você quer entender o que é e como funciona o implante capilar, acompanhe este post e confira também as opções de tratamento mais utilizadas para combater a queda de cabelo. 

O que é implante capilar?

Para entender como funciona o implante capilar precisamos antes entender o que é ele. Realizado por meio do transplante capilar, o procedimento consiste em realocar folículos capilares de outra região do corpo do próprio paciente. 

Apesar de ser uma cirurgia plástica mais procurada por homens, o transplante capilar em mulheres cresce cada vez mais. 

Para se ter uma ideia, um estudo publicado pelo Journal of the American Academy of Dermatology revelou que até 30% da população mundial feminina terá calvície. Mas afinal, o que causa a perda de cabelo nas mulheres?

Existem vários fatores que podem gerar a queda de cabelos e a grande diferença em relação aos homens é que essa perda em mulheres costuma aparecer em diversas regiões da cabeça e não apenas na frente ou na parte de cima. 

Confira algumas das principais causas de perda de cabelo:

  • Mudanças hormonais causadas pela menopausa
  • Calvície genética
  • Alopecia frontal fibrosante (doença autoimune) 
  • Alto nível de estresse
  • Alimentação
  • Consequência de tratamentos como a quimioterapia

 

Como é feito o transplante capilar feminino?

Bom, agora já entendemos o que é implante capilar, certo? Os fios, normalmente coletados de outra região do corpo, são utilizados de forma bem discreta entre os fios de cabelo para dar mais volume. 

Os problemas que fazem o cabelo cair podem ter outras formas de tratamento além do transplante capilar feminino. Para encontrar o procedimento ideal para você é essencial fazer uma avaliação com um médico especializado. 

Além de explicar como funciona o implante capilar, separamos os principais tipos de tratamento para queda de cabelo em mulheres. Olha só:

Minoxidil

O minoxidil é uma loção capilar que auxilia no tratamento da queda de cabelos. Ele é utilizado para tratar problemas de calvície em homens e mulheres, perda de pelos em sobrancelhas e outras partes do corpo.

A utilização do produto é bem simples e o tratamento não é invasivo, por isso pode ser uma das primeiras opções para tentar resolver o problema, mas é importante seguir as orientações médicas.

Finasterida

A finasterida é uma medicação oral que deve ser prescrita pelo médico. Normalmente é indicado para pacientes com queda de cabelo de causa genética ou hormonal.

É essencial ter o acompanhamento e a indicação médica para fazer o uso adequado do medicamento: nada de se automedicar e criar problemas de saúde ainda maiores.

Procedimentos estéticos

Existem vários procedimentos estéticos além do transplante capilar em mulheres para tratamento da queda de cabelos. Dentre eles o microagulhamento, MMP (Microinfusão de Medicamentos na Pele), Drug Delivery e sessões com laser ou LED.

O MMP, por exemplo, costuma ser mais indicado para pacientes com alopecia e utiliza uma medicação diferente para cada tipo de tratamento. Já o microagulhamento é muito indicado para alopecia androgenética e o Drug Delivery tem como objetivo facilitar a penetração de produtos na área a ser tratada para um resultado mais eficaz.

O laser, LED, ou fototerapia capilar, é um tipo de tratamento bem conhecido e tem ação anti-inflamatória e vasodilatadora, o que auxilia na estimulação de crescimento dos fios. O procedimento também é bastante utilizado para tratar dermatite seborreica e caspa. 

Transplante capilar

Já entendemos como é feito o transplante capilar, certo? Mas é importante destacar que o procedimento deve ser realizado por um profissional especializado e você não pode deixar de fazer uma avaliação adequada para verificar se esta é realmente a solução ideal.

Agora que já entendemos o que é implante capilar e conhecemos diversos tratamentos estéticos para a queda de cabelo, é hora de encontrar o procedimento ideal para você com um profissional qualificado.

Para isso, acesse o site da Dra Hazel e agende uma avaliação agora mesmo!

Entenda o que é dismorfia corporal e saiba como tratá-la

Entenda o que é dismorfia corporal e saiba como tratá-la

Saiba como identificar os sintomas, entenda as causas e como tratar a dismorfia corporal

A dismorfia corporal é um transtorno psicológico muito sério que pode levar a distúrbios alimentares e até mesmo à depressão. Identificar os sintomas da dismorfia corporal é essencial para iniciar o tratamento adequado o mais rápido possível.

Ainda não muito conhecido pela população, esse transtorno pode ser difícil de identificar, mas existem alguns pontos para ficar atento que vão facilitar a identificação e possibilitar o encaminhamento do paciente para o  tratamento para dismorfia corporal o quanto antes. 

Neste artigo, vamos explicar as possíveis causas da dismorfia corporal e o tratamento adequado para os pacientes que sofrem com o transtorno. Continue a leitura para conferir.

O que é dismorfia corporal?

Afinal, você sabe o que é dismorfia corporal? Bom, primeiro é preciso entender que se trata de um transtorno psicológico, mas que pode ter consequências físicas e muito sérias. 

Quem sofre com a dismorfia corporal tende a visualizar uma imagem distorcida da realidade, apresentando uma insatisfação profunda com o próprio corpo. Essa insatisfação pode desencadear doenças graves, como a depressão, que afeta grande parte dos brasileiros e pode até ocupar uma posição preocupante como a doença mais incapacitante até 2020

As causas da dismorfia corporal podem ter várias fontes, mas a doença costuma afetar pessoas mais tímidas, ansiosas ou que já sofrem com a depressão. É comum que ela se manifeste durante a puberdade, mas isso não exclui a possibilidade de afetar adultos e até mesmo crianças.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), o Brasil é o país mais ansioso do mundo e os padrões de beleza impostos pela sociedade não ajudam a combater doenças sérias como a dismorfia corporal. 

Muito já se discutiu sobre a influência das redes sociais na autoimagem dos usuários e como ela estimula a comparação excessiva com outras pessoas. Você sabia que esse pode ser um sinal da dismorfia corporal? 

Sintomas da dismorfia corporal

Os sintomas podem facilmente ser confundidos com uma simples insatisfação com a autoimagem corporal e dificilmente quem sofre com o transtorno vai admitir que tem algo de errado, por isso é essencial observar cada detalhe e mudança comportamental com atenção. 

As consequências da falta de tratamento adequado para esse tipo de transtorno podem ser muito graves. Muita gente acaba optando por uma cirurgia plástica ou diversos procedimentos estéticos sem necessidade, por exemplo, ou até mesmo desenvolvendo doenças como a anorexia

Por isso é importante ficar atento aos sintomas da dismorfia corporal, possibilitando um diagnóstico precoce para iniciar o tratamento correto e específico para o perfil de cada paciente.

É importante saber distinguir uma simples insatisfação com um transtorno mental. Confira alguns dos principais sinais da dismorfia corporal:

  • Preocupação exagerada com a aparência 
  • Obsessão por “defeitos” mínimos ou inexistentes
  • Comparação constante com outras pessoas
  • Isolamento
  • Ansiedade
  • Dificuldade de relacionamento
  • Mau-humor constante
  • Melancolia
  • Desânimo para desempenhar tarefas comuns
  • Timidez

Se identificar algum desses sintomas, observe a pessoa para entender se esse é um comportamento repetitivo, que causa muito sofrimento ou que afeta a rotina e a vida pessoal. 

Como tratar dismorfia corporal?

Para entender como tratar a dismorfia corporal é preciso saber que a família e os amigos têm papel fundamental durante o processo. O paciente precisa se sentir valorizado, saber que tem apoio e muito amor para receber. 
Basicamente, o tratamento para dismorfia corporal envolve cuidados mentais e, em alguns casos, medicação. A terapia é o melhor caminho para tratar as causas da dismorfia corporal e trabalhar com o paciente as suas inseguranças em relação à aparência. 
Se o paciente desenvolver uma depressão, por exemplo, o médico pode aliar as terapias ao uso de medicamentos antidepressivos ou para controlar a ansiedade.  
Por se tratar de um transtorno mental, o tratamento para dismorfia corporal deve ser planejado de acordo com cada paciente para realmente cuidar de tudo aquilo que desencadeou a insatisfação com a aparência em primeiro lugar. 
Tem outras dúvidas sobre as causas da dismorfia corporal ou está pensando em fazer uma cirurgia plástica? Converse com a Dra. Hazel e agende uma avaliação para saber se o procedimento estético é realmente a melhor opção para o seu caso.